jusbrasil.com.br
23 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS - Apelação Cível : AC 0832895-12.2016.8.12.0001 MS 0832895-12.2016.8.12.0001

Detalhes da Jurisprudência
Processo
AC 0832895-12.2016.8.12.0001 MS 0832895-12.2016.8.12.0001
Órgão Julgador
2ª Câmara Cível
Publicação
23/04/2019
Julgamento
17 de Abril de 2019
Relator
Des. Fernando Mauro Moreira Marinho
Documentos anexos
Inteiro TeorTJ-MS_AC_08328951220168120001_3ad70.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

E M E N T A – APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DECLARATÓRIA DE INEXISTÊNCIA DE RELAÇÃO JURÍDICA C/C REPETIÇÃO DE INDÉBITO E INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS – EMPRÉSTIMO CONSIGNADOAUSÊNCIA DE PROVA DE DISPONIBILIZAÇÃO DO MÚTUOFALHA NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO - DANO MORALQUANTUM INDENIZATÓRIOMANTIDO - JUROS DE MORAEVENTO DANOSO - HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOSMANTIDOSRECURSO PARCIALMENTE PROVIDO.

1. O valor arbitrado a título de indenização por danos morais deve representar uma compensação à vítima e também uma punição ao ofensor, guardando-se proporcionalidade entre o ato lesivo e o dano moral sofrido.
2. Os juros de mora devem incidir a partir do evento danoso (Súmula 54, STJ) 3. Os honorários advocatícios de sucumbência foram fixados em consonância com o nível de complexidade da demanda, a importância da causa, o tempo de duração do feito e o valor atualizado da indenização que inclui não apenas o dano moral, mas também à restituição dos valores descontados, não havendo razão para majorar o percentual fixado pelo juízo singular (10%).
Disponível em: https://tj-ms.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1118441372/apelacao-civel-ac-8328951220168120001-ms-0832895-1220168120001