jusbrasil.com.br
9 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS: XXXXX-89.2014.8.12.0011 MS XXXXX-89.2014.8.12.0011

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

3ª Câmara Cível

Julgamento

Relator

Des. Marco André Nogueira Hanson

Documentos anexos

Inteiro TeorTJ-MS__08020278920148120011_b32ec.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

E M E N T A – REMESSA NECESSÁRIA – AÇÃO DE REPARAÇÃO DE DANOS DECORRENTE DE ACIDENTE DE TRÂNSITORUPTURA DE PONTE SOBRE CÓRREGORESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA DO MUNICÍPIO RÉUMORTE DE FILHOS MENORES DOS AUTORESDANOS MATERIAIS COMPROVADOSPENSÃO MENSAL DEVIDA E ADEQUADAMENTE ARBITRADADANO MORALVALOR DA INDENIZAÇÃO MANTIDARECURSO CONHECIDO E NÃO PROVIDO.

I - Na qualidade de Ente Público, o Município réu sujeita-se à norma prevista no art. 37, § 6º, da Constituição Federal, que trata da responsabilidade objetiva, hipótese em que a vítima não tem o ônus de provar a culpa ou dolo do causador do dano. Tal responsabilidade exige, para a responsabilização do ente Público, tão-somente a verificação do nexo causal (causa e efeito) entre o dano produzido e a atividade desempenhada pelo preposto, independentemente da verificação da culpa (teoria da responsabilidade objetiva pelo risco administrativo).
II - Em decorrência da omissão do Município réu, desidioso na manutenção/conservação de ponte sobre o Córrego Figueira, na zona rural, lamentavelmente ocorreu o acidente e óbito de três passageiros de veículo que a atravessa no momento da ruptura de sua estrutura, dentre os quais, dois filhos dos autores.
III - Dano material suportado com as despesas de funeral comprovadas e devidas.
IV - Os valores atribuídos a título de pensionamento foram corretamente arbitrados na origem, cujo marco inicial de 16 anos atrelou-se ao pedido inicial, razão por que deverá ser mantido.
V - Face às circunstâncias delineadas nos autos, bem como as particularidades pertinentes às partes, é de se manter o valor fixado na origem a título de danos morais, eis que o julgador, para arbitrá-lo, já considerou as condições socioeconômicas das partes, o grau de culpa do ofensor, as consequências do fato, entre outros.
Disponível em: https://tj-ms.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/509832031/8020278920148120011-ms-0802027-8920148120011

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 meses

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX SE 2016/XXXXX-0

Tribunal Regional Federal da 1ª Região
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO CIVEL (AC): AC XXXXX-12.2005.4.01.4100

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 12 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX PR 2006/XXXXX-8

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 11 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC XXXXX-80.2003.8.13.0778 Arinos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC XXXXX-64.2016.8.13.0708 Várzea da Palma